top of page
Buscar

Cuide bem do seu fã

Seguindo com a promessa de escrever por aqui a cada duas semanas, quero trazer um outro projeto recente que fizemos aqui na Storytel. Sempre com o objetivo – ou pelos menos a ideia – de dar minha pequena contribuição para ajudar a pensar novas formas de trabalhar conteúdos, livros e histórias no áudio ou em outros formatos.

É importante dizer que este projeto é de um título que não é um lançamento... ou melhor é. Um lançamento em áudio, de uma obra já publicada em outros formatos. Ou seja, uma história nova para muita gente e uma nova experiência para tantos outros.

Um detalhe bem interessante é a força do backlist no áudio. No caso da Storytel, 97% do nosso catálogo global foi ouvido pelo menos uma vez no ano passado e são centenas de milhares de títulos. Além disso, mais de 60% do consumo que temos globalmente vem de títulos que o mercado chama de backlist.

Backlist porque foi lançado há algum tempo em papel, mas pra muita gente vai ser o primeiro contato com aquela história e isso, pra mim, é uma das coisas mais legais de trabalhar com áudio. A gente pode pegar uma história já conhecida ou já trabalhada e transformar em algo totalmente novo pra ser ouvido. Backlist is the king!

A autora & O título

Ferida foi escrito por Nana Pauvolih, uma autora muito conhecida de romances eróticos. Nana é um fenômeno na internet já faz tempo, talvez tenha sido um dos primeiros grandes expoentes da autopublicação no Brasil, depois publicada por editoras e com direitos comprados para outros formatos inclusive. Muito sucesso essa Nana!

Pois bem, esse título foi lançado há alguns anos e se tornou um grande sucesso com as fãs, mas nunca tinha ganhado uma versão em áudio. Faz parte da série Segredos, que tem também outro título, Duplamente Ferida, também disponível com exclusividade na Storytel em português.

A história conta uma trama que envolve dois personagens principais, Eva e Theo (guarde essa informação porque ela é muito importante). Theo é o mais velho dos irmãos Falcão e assumiu os negócios da família após uma grande tragédia. Até que em seu caminho entra Eva, uma jovem com metade da sua idade que quer a qualquer custo se vingar da família Falcão. Trazendo com ela segredos do passado e usando uma identidade falsa.

Capa 'Ferida'


A(s) Voz(es)

Esse título foi licenciado pela Storytel com exclusividade no Brasil para que se transformasse em um Audiobook e aí vem de novo a primeira coisa importante desse projeto, como a gente falou no outro artigo: a escolha da voz.

Mas nesse caso a gente fez algo diferente, escolheu duas vozes... um narrador para interpretar Theo e uma narradora para interpretar Eva. Foi a primeira vez que isso foi feito em um audiobook desse gênero no Brasil.

Essa escolha, além de dar uma dinâmica incrível pra história, satisfez uma vontade/curiosidade das fãs: materializar a voz do Theo. Isso porque, diferente de outros títulos eróticos que viraram filme – 50 tons por exemplo – a voz do Theo estava na cabeça de cada pessoa que leu o livro. Materializar essa voz claro, era um risco... mas parece que a galera curtiu.


Reviews de Ferida no app da Storytel


Como a gente conversou no último artigo, as vozes são uma escolha preciosa em um projeto de áudio. Mais do que isso, é preciso sempre pensar em quem vai ouvir, na audiência que você busca para aquele título. Em Ferida, ficou muito claro pra nós - e pra Nana - que a gente precisava dar voz ao Theo, que somente uma voz feminina narrando o título não traria o efeito que as fãs e os ouvintes buscavam.

Esquentando e lançando

Aqui está a parte mais interessante deste projeto: as Nanetes. Este é o nome usado pelas fãs da autora. Desde o começo o engajamento da Nana, junto com o trabalho de cuidado, carinho e atenção com as Nanetes foi o que fez toda diferença.

O foco principal de toda divulgação do audiobook foi direcionado para elas. Antes, durante e depois. Não fazia sentido não aproveitar toda audiência fiel que a Nana tem entorno dela. São leitoras e leitores que a seguem em todos os livros e que ficaram positivamente surpresos por saberem de uma versão em áudio.

Fizemos então um esquenta do lançamento, dentro do Grupo do Facebook das Nanetes, tendo a Nana como porta voz. Foi ela quem anunciou que seria lançado o Ferida em áudio e que gentilmente introduziu a Storytel na conversa. Mas sempre com a Nana e o título como protagonistas... a Storytel neste caso foi só um intermediário que proporcionou que as fãs consumissem essa história em um novo formato.


Posts Nana Pauvolih Facebook e Instagram


Aí você pergunta: mas por que uma pessoa que já leu o livro e já conhece toda história ia querer ouvir algo que ela já conhece? Tadããã!

Porque é uma outra experiência, porque é um outro formato e porque entrega algo que a fã nunca teve, mesmo conhecendo a história: a voz dos personagens. Como a Nana mesmo avisou “é ouvir a voz do Theo sussurrando no seu ouvido!”.

Por isso essa ideia de que os formatos competem entre si e se canibalizam não faz sentido... primeiro porque o fã vai consumir tudo, absolutamente tudo relacionado aquele universo... e isso vale de Nana a Star Wars. Segundo porque no áudio muita gente vai ter o contato pela primeira vez com os títulos de um autor, o que vai fazer com que ele descubra estas obras e passe a consumir mais conteúdos daquele autor, em vários formatos.

Estamos falando de uma equação que soma e multiplica e não que divide e subtrai.

Breve parênteses: gente, não tenham medo de ir pra outros formatos, eles expandem seu alcance, não minimizam seus ganhos nem tiram o interesse de um formato mais consolidado, como o livro impresso.

Além destas comunicações de esquenta e lançamento, fizemos outra coisa pra matar ainda mais a curiosidade sobre a voz do Theo, uma live com o narrador. Os narradores são grandes estrelas no áudio e merecem ser reconhecidos e nomeados. Antes que eu me esqueça, a voz de Eva foi narrada por Julia Ribas e a de Theo por Spencer Toth Sydow.


Post Nana Pauvolih Live


O Fandom quer mais!

Gostamos muito de usar o termo universo na Storytel. Usamos esta palavra pra definir uma área de interesse de determinado grupo de ouvintes... é mais que uma categoria, é o mundo de conteúdos que te interessa.

Com o lançamento de Ferida, era importante que este universo (o de romances eróticos que chamamos de títulos HOT) fosse povoado, de maneira que quem entrou para ouvir Ferida tivesse outros muitos títulos para ouvir depois e depois e depois. Não só da mesma autora, mas também do segmento editorial que interessa a esta audiência.

Por isso, além de ter uma categoria totalmente dedicada a este universo no app, também lançamos Duplamente Ferida (segundo título da série Segredos) e uma lista no app com curadoria da Nana de títulos que ela indicou. Neste caso o que vale, mais do que títulos somente deste universo, é a credibilidade e influência da autora e o quanto seu fandom (ou em tradução livre seu reino de fãs) confia e a segue.


Lista Nana no app da Storytel | Categoria HOT no app da Storytel | Série 'Segredos' no app da Storytel


O Universo

Acho que aqui vale um papo rápido sobre essa questão do universo de interesse. É muito importante que ao lançar um título de determinado gênero, você tenha em mente que caso as pessoas gostem (imagino que seja o que você espera) elas vão querer mais. Pra isso você precisa ter mais conteúdo para oferecer, para manter esse leitor perto de você. Isso vale se você for um autor, uma editora, uma livraria, um app...

Para que não aconteça um efeito montanha russa, com um número grande de gente vindo pra consumir o que você tem pra oferecer e depois indo embora, porque não tem mais nada que lhes interesse. Claro, que as pessoas não consomem só um tipo de conteúdo, mas acredite, povoar bem um mesmo universo vai fazer as pessoas ficarem. Para usar um exemplo do vídeo, é lançar Chernobyl pra fazer o assinante da HBO ficar depois que acabou Game of Thrones.

No nosso caso, o lançamento de Ferida foi o primeiro passo da construção desse universo. Após o lançamento, não só o título ficou entre os mais ouvidos do app no Brasil, mas também trouxe a categoria para uma das cinco mais ouvidas. Ela sequer figurava entre as 10 mais, antes disso.

Concluindo...

Não existe nada mais importante que sua audiência. Você também pode chamar audiência de leitor, consumidor, fã, etc. Parece aquele clichê de “o cliente tem sempre razão”. Ele tem!

O fã de um autor, de um título ou de um universo de interesse precisa – sempre – ser o primeiro grupo em que você vai pensar na hora de lançar um conteúdo e montar um plano de marketing. O fã adora ser tratado com o carinho que merece, como retribuição à lealdade que demonstra.

Além disso, são pessoas que conhecem a fundo a obra do autor e o que existe disponível naquele segmento. Não só são consumidores fiéis (o que significam vendas recorrentes), como também podem e devem ser conselheiros do que funciona ou não naquele mundo. Afinal, não existe maneira melhor de você entender se aquela obra vai funcionar ou não, se aquela divulgação faz sentido ou não do que falar com o fandom.

Isso exige carinho, cuidado, atenção e tempo... mas tempo na quarentena tá sobrando.

Pra quem quiser saber mais

Ferida na Storytel Duplamente Ferida na Storytel Audiobooks narrados pela Julia na Storytel Audiobooks narrados pelo Spencer na Storytel Instagram da Storytel (com posts e conteúdos do título): @storytelbrasil Instagram da Nana (com posts e conteúdos do título): @nanapauvolih O grupo da Nanetes no Facebook é um grupo fechado, mas quem sabe você pode provar que merece estar lá.


Texto originalmente publicado em www.publishnews.com.br

Comments


bottom of page